15 coisas bizarras que são proibidas na Coreia do Norte

A Coreia do Norte vive em um dos regimes mais fechados da conjuntura internacional moderna. Lá, os coreanos não possuem muitas liberdades, e vivem sob as amarras de leis e regras que os impedem muitas vezes até mesmo de manter contato com pessoas de fora do país. Além disso, a cultura norte-coreana é extremamente protegida pelas autoridades, que tentam ao máximo impedir a penetração de outras realidades dentro do território nacional.

Nessa lista, você vai conferir uma série de coisas que são proibidas na Coreia do Norte.

1. Jeans na cor azul.

Shutterstock

Não é que você não possa usá-los em circunstância alguma, mas os jeans azuis remetem a uma cultura ocidental, e ao que os norte-coreanos entendem como “imperialismo”. Por isso, os moradores locais são ensinados a usar, no máximo, jeans pretos. Os turistas, por outro lado, são proibidos de utilizar o azul apenas quando visitam alguns locais específicos, como os memoriais construídos em homenagens aos líderes do país.

2. Coca-Cola

Shutterstock

Evidentemente, se até mesmo as calças jeans causam problemas, não poderia ser diferente com a bebida mais famosa do mundo ocidental: a Coca-Cola. Este refrigerante é extremamente taxado no país asiático, e por isso é bastante difícil encontrá-lo por lá. Existem alguns relatos, no entanto, que dão conta de que algumas versões da bebida, fabricadas na China, são vendidas em lojas menores e “escondidas”.

3. World Wide Web e Wi-Fi.

Shutterstock

Pode parecer impensável viver sem a Internet como a conhecemos hoje, mas os cidadãos da Coreia do Norte sabem exatamente o que é isso. Praticamente não há acesso à World Wide Web, nem mesmo conexões Wi-Fi. Alguns turistas conseguem adquirir pacotes de dados (extremamente caros, na maioria das vezes), mas os cidadãos locais precisam se contentar com o que chamam de ‘Kwangmyong’, uma espécie de intranet acessada apenas pelos moradores do país, com entre 1000 e 5000 sites diferentes – nenhum deles estrangeiros.

4. Absorventes íntimos.

Shutterstock

Por algum motivo difícil de entender, não há absorventes íntimos à venda para as mulheres, à exceção de modelos bem antigos, reutilizáveis.

5. Turistas não podem usar a moeda local.

Shutterstock

Se você viajar para a Coreia do Norte, esteja preparado para pagar por suas compras com euros, dólares, yuans, entre outras moedas, mas não os wons norte-coreanos. Eles não podem ser utilizados por turistas – apenas pelos moradores locais.

6. Apartamentos não estão à venda.

Shutterstock

Os apartamentos de Pyongyang são concedidos pelo governo para aqueles que os adquirem pelos meios permitidos pelo regime. Não há como comprá-los de forma legal, ainda que os boatos digam que existe um “mercado clandestino”, onde supostamente algumas residências são vendidas na capital norte-coreana por algo entre 70 -90 mil dólares. O problema é que os norte-coreanos ganham muito menos que isso mensalmente.

7. Comprar um carro também não é fácil.

NVictor/flickr

O veículo mais utilizado entre os norte-coreanos é a bicicleta, já que os automóveis, apesar de não serem proibidos, são extremamente caros, e por isso pertencem apenas à elite do país. Até por isso as bicicletas precisam ser emplacadas, da mesma forma que fazemos com os carros por aqui.

8. Preservativos.

Shutterstock

Os preservativos não são vendidos em Pyongyang, já que os métodos contraceptivos são desencorajados pelo regime. Por isso, muitos estrangeiros levam preservativos para conhecidos na Coreia do Norte como um tipo de “presente”.

9. Jornais estrangeiros.

Flickr

É praticamente impossível conseguir um jornal estrangeiro na Coreia do Norte, e as únicas fontes de informação são os jornais do próprio país, que ficam expostos publicamente, sem a necessidade de comprá-los. Nem é preciso dizer, no entanto, que o próprio governo se encarrega das notícias.

10. Ligações internacionais.

Shutterstock

Os celulares são bastante populares na Coreia do Norte, mas isso não significa que são totalmente liberados. Os chips norte-coreanos permitem apenas ligações locais, e os moradores do país não podem nem mesmo ligar para estrangeiros que estão em território nacional.

11. A propriedade privada não é garantida.

No regime mais fechado do mundo, a propriedade privada é um grande problema. Como já citamos antes, comprar um apartamento ou uma casa pode ser bastante difícil, e o governo norte-coreano detém os direitos da grande maioria das terras do país. No entanto, já que a população há anos vinha encontrado maneiras de “burlar” o regime neste sentido, as leis estão afrouxando cada vez mais no que tange à propriedade.

12. Viagens internacionais.

Flickr

Viajar para outro país é totalmente proibido para norte-coreanos, e até mesmo viagens dentro do próprio país podem ser impedidas, já que dependem de uma autorização governamental.

13. Mc Donald’s

Shutterstock

Vários nações que antigamente manifestavam desapreço à cultura ocidental, e principalmente aos EUA, já se renderam à popularidade da rede de fast food mais conhecida do mundo. No entanto, a Coreia do Norte continua fechada também neste sentido.

14. Cortes de cabelo limitados.

Flickr

Na Coreia do Norte, você não pode imitar livremente o corte de cabelo dos seus artistas favoritos ou jogadores de futebol. Lá, existem aproximadamente 15 cortes permitidos para os homens, e não muitos mais para as mulheres.

15. Árvores de Natal

Shutterstock

Além de não ter nenhuma religião oficial, a Coreia do Norte é um país oficialmente ateu. Por isso, qualquer manifestação ou prática religiosa é monitorada e controlada pelo governo. Além disso, ornamentos de festas típicas religiosas, como o Natal, não são encontrados para vender, e é proibido manter objetos como Árvores de Natal e ornamentos desta natureza.

você pode gostar também
2 Comentários
  1. bob Diz

    pelo menos a maconha e liberada para aguentar tudo isso

  2. Paulo Diz

    1984 aplicado

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.