fbpx

10 fatos sobre o corpo humano que na verdade são mitos

O corpo humano é extremamente complexo, e guarda uma série de mistérios, segredos e detalhes que muitas pessoas não compreendem totalmente. Por conta de toda essa complexidade, surgem diversos mitos que se propagam ao longo do tempo, dos quais você certamente conhece vários.

Nesta lista, vamos “desmentir” alguns dos mitos mais famosos sobre o corpo humano.

Confira:

1. “Você pode “recuperar” o sono que perdeu durante a semana”.

Imagem de Pexels por Pixabay

O corpo humano precisa de um período razoável de descanso todos os dias para que possa continuar funcionando normalmente. As pessoas que dormem menos que o necessário para descansar completamente costumam apresentar sonolência durante o dia, confusão mental, problemas de concentração entre outras consequências. De forma errônea, algumas pessoas alegam que você pode compensar suas noites mal dormidas no final de semana, dormindo até um pouco mais tarde no sábado e domingo.

Entretanto, apenas uma mudança consistente no hábito do sono pode garantir que recuperemos esse “débito” que temos com a cama. Isto é, para que uma pessoa recupere totalmente o funcionamento do seu corpo, afetado pela privação do sono, é necessário adaptar o seu dia para que você consiga ter o máximo possível de descanso de forma diária.

2. “Você precisa dormir exatamente oito horas por dia”.

Imagem de Andreas Lischka por Pixabay

Em complemento ao item anterior, outra “lenda” bastante conhecida é a de que precisamos dormir pelo menos oito horas por dia para ficarmos bem no dia seguinte.

Apesar de realmente precisarmos de um descanso razoável todos os dias, não podemos falar em números exatos, já que cada pessoa possui um corpo diferente dos demais, e consequentemente exige períodos distintos de tempo para descansar completamente.

3. “As digitais são totalmente exclusivas de cada pessoa”.

Imagem de Michael Gaida por Pixabay

As digitais fazem parte de diversos sistemas de segurança e de identificação em todo o mundo. Todos os anos milhares de pessoas são presas, acusadas e inocentadas com base em provas produzidas a partir da coleta de amostras das digitais, com a ideia de que é impossível que duas pessoas tenham a mesma digital.

Entretanto, por conta da dificuldade de coletar e analisar as impressões de todas as pessoas no mundo, o máximo que pode fazer é afirmar que é improvável que duas pessoas tenham as mesmas digitais, mas não podemos dizer que é impossível.  Um estudo científico, por exemplo, já foi capaz de reunir 22 casos comprovados de falhas envolvendo as impressões digitais no sistema legal dos Estados Unidos.

4. “A cannabis queima seus neurônios”.

Imagem de TinaKru por Pixabay

Até mesmo como uma forma de alertar e assustar as pessoas em relação aos supostos perigos da maconha, muitas pessoas afirmam que a cannabis é capaz de “queimar os neurônios” de uma pessoa, diminuindo a capacidade cerebral dos usuários do entorpecente.

Entretanto, este estudo, por exemplo, publicado no ‘The Journal of Neuroscience’, não encontrou nenhuma relação entre o consumo de maconha por adolescentes e adultos e os efeitos supracitados. A pesquisa levou em consideração alguns outros fatores de risco, como o consumo de álcool, idade, gênero e outras variáveis, e “falhou em encontrar diferenças no volume e na forma das áreas analisadas do cérebro não por conta de falta de poder estatístico, mas pela ausência de um efeito mesmo que moderado da cannabis sobre estas regiões cerebrais”, conforme escreveram os pesquisadores.

Ainda mais contraditório, outras pesquisas indicam até mesmo que a cannabis pode ter o efeito de reverter o declínio cognitivo dos usuários moderados da planta.

5. “Estar em coma é como estar dormindo”.

Image by Parentingupstream from Pixabay

A ideia popular que se tem sobre o estado de coma muitas vezes é completamente diferente daquilo que se vê na realidade. Em vários filmes, por exemplo, é normal ver personagens que passa por um período em coma e acordam sentindo-se completamente bem e aptos para desempenharem suas atividades.

Entretanto, na “vida real”, os pacientes em coma quando acordam normalmente possuem diversas limitações e precisam passar por um período de reabilitação inclusive para as tarefas mais simples. [O que acontece com o corpo de uma pessoa durante o coma?]

6. “Os pelos nascem mais grossos se você usar uma lâmina para cortá-los”.

Image by kropekk_pl from Pixabay

Esta “lenda” nos diz que devemos evitar usar lâminas para cortar nossos pelos corporais, já que utilizando estes equipamentos para nos depilar supostamente nossos pelos nasceriam mais grossos. Entretanto, isso não é bem verdade.

Naturalmente, os pelos corporais tendem a variar em espessura ao longo da nossa vida, o que não tem absolutamente nada a ver com a técnica que utilizamos para cortá-los.

Além disso, depois de nos depilarmos, os pelos (mais curtos) realmente ficam com um aspecto mais grosso, o que acaba causando o efeito de “espetar”. No entanto, conforme os pelos voltam a crescer, eles se tornam mais finos novamente.

7. “A urina pode aliviar a dor de uma picada de água-viva”.

Image by Ewa Urban from Pixabay

Se você assistiu ao seriado Friends, provavelmente lembra do episódio em que a personagem Monica foi picada por uma água-viva. Na ocasião, o seriado televisivo mostrou a personagem utilizando urina para aliviar a dor, o que acabou surtindo efeito na obra de fantasia.

No entanto, na vida real, isso não é bem assim, e urinar no ferimento pode apenas causar ainda mais dor.

8. “Chocolate pode causar acne”.

Image by Free-Photos from Pixabay

Apesar da crença popular de que o consumo de chocolates pode aumentar a probabilidade de você desenvolver acne, um estudo ainda em 1969 mostrou que mesmo o consumo diário de barras de chocolate não são capazes de produzir efeitos suficientes para afetar a formação das espinhas e cravos.

9. “Infartos sempre causam dor no peito”.

Image by Pexels from Pixabay

Ainda que a dor no peito seja um sintoma comum entre os pacientes que sofrem de infartos, ele não é “obrigatório” em todos os casos. Principalmente entre as mulheres, é comum que a dor dê lugar para outros sintomas, como a falta de ar, fadiga, náusea e dor nos braços e nas costas. Um estudo, inclusive, apontou que a maioria das mulheres analisadas que haviam sofrido com infartos não perceberam os sintomas.

Veja também: O que é essa sensação de “facada no peito” que muitos de nós sentimos?

10. “Utilizamos apenas 10% da capacidade do nosso cérebro”.

Image by VSRao from Pixabay

Esta é uma frase bem antiga, atribuída a diversas personalidades diferentes e transmitida ao longo dos anos. Entretanto, não é verdadeira.

Exames de escaneamento deixam claro que todas as áreas do nosso cérebro são utilizadas em algum momento durante o dia. Evidentemente, não há como analisar cada pequena célula do cérebro, mas atualmente é cientificamente impossível afirmar que utilizamos apenas 10% da nossa capacidade cerebral.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.