10 incríveis descobertas arqueológicas totalmente inesperadas

A arqueologia é uma ciência extremamente importante para que possamos compreender nossas origens e entender como as pessoas viviam no passado.

Nesta lista, você vai conhecer algumas das descobertas mais incríveis que já foram feitas.

Confira:

10. Fazendeiros que descobriram o esqueleto de um mamute.

© Daryl Marshke/University of Michigan

O fazendeiro James Bristle, junto com um amigo, fizeram uma descoberta extremamente incrível em 2015, no sul do Michigan. Eles encontraram nada menos que um mamute de 15 mil anos de idade. Foram encontradas o crânio do animal, junto com dois chifres.

Esta descoberta provavelmente vai alterar a data dos primeiros sinais de existência na América. Examinando os restos mortais do animal, o especialista Daniel Fisher, da Universidade de Michigan, confirmou que ele provavelmente foi morto por seres humanos.

9. Tesouro do Rei Quilderico.

© Wikipedia

O anel que você vê acima faz parte do tesouro do Rei Quilderico, da Gália. Trata-se de um anel bastante pesado, feito em ouro, com 27mm de diâmetro, o que indica que Quilderico tinha dedos bastante grandes.

O anel foi descoberto em 1653, cerca de 1200 anos depois da morte do Rei Quilderico. Além do anel, foram encontradas várias moedas, espadas feitas de ouro, ferraduras e outros artefatos.

8. O Homem de Grauballe.

© Commons/Wikimedia

Este é o Homem de Grauballe, a primeira múmia a ser encontrada em bom estado de preservação em todo o corpo. Até mesmo seus cabelos e unhas estavam intactas, mesmo após séculos da mumificação. Várias pesquisas já foram feitas com a múmia, e desde 1955 ela está exposta no Moesgaard Museum, na Dinamarca.

7. Hobbits existiam de verdade?

© Depositphotos   © Wikipedia

Uma equipe de arqueólogos da Austrália e da Indonésia estava procurando provas da migração humana da Ásia para a Austrália. Mas a descoberta de “hobbits” foi um evento completamente não planejado e os pegou de surpresa quando encontraram um esqueleto completo de um hominídeo.

Os hobbits poderiam ser humanos deformados? Ou eles eram uma espécie completamente diferente? O mistério ainda não foi totalmente resolvido, mas muito já foi esclarecido. Uma equipe de pesquisa desenterrou um esqueleto de uma mulher na caverna Liang Bua, na ilha de Flores, na Indonésia, em 2003.

Examinando-o de perto, chegaram à conclusão de que a mulher devia ter uma estatura pequena, mas ainda mais misteriosa era o fato de a mulher ter um cérebro excepcionalmente pequeno. Alguns dizem que esta espécie era uma parte do nanismo evolutivo. No entanto, muitas questões ainda não foram respondidas relacionadas a quais espécies de humanos são seus ancestrais imediatos.

6. 

© Wikipedia

Quando Luke Irwin, um designer de tapetes do Reino Unido, pediu para os eletricistas colocar fios no subsolo do seu quintal, ele teve uma incrível surpresa. A escavação levou à descoberta de uma antiga vila romana palaciana. Assim como Irwin, até mesmo os arqueólogos que foram chamados no local ficaram surpresos com a descoberta.

Durante a escavação, foi encontrada uma camada dura de 18 polegadas de um mosaico claramente visível. A descoberta, segundo os arqueólogos, pode abrir uma vasta base de conhecimento sobre a história do Reino Unido quando dominado pelos romanos.

5. Múmia de Otzi.

Dois turistas alemães estavam caminhando na montanha de Hauslabjoch e Tisenjoch quando fizeram a descoberta de suas vidas. Era a múmia humana natural mais antiga da Europa, que eles pensavam ser o corpo de um alpinista. A múmia foi encontrada em setembro de 1991 nos Alpes de Ötztal, o que lhe deu o apelido de ‘Otzi’.

A descoberta foi significativa porque ajudou na compreensão sobre os europeus do Calcolítico (Idade do Cobre). Outra história interessante envolvendo Otzi é que algumas pessoas envolvidas em sua descoberta morreram em circunstâncias misteriosas, sugerindo que Otzi fosse amaldiçoado. No entanto, os cientistas que estão trabalhando com a múmia estão completamente saudáveis…

4. Cidade subterrânea de Derinkuyu.

© Wikipedia

Em 1963, um homem descobriu uma misteriosa estrutura atrás de um dos cômodos de sua casa. Quando os arqueólogos foram chamados para uma investigação mais aprofundada, uma passagem inteira de túneis foi encontrada, que agora é popularmente conhecida como a “cidade subterrânea de Derinkuyu”.

Acredita-se que a cidade foi construída na era bizantina para proteger os habitantes dos árabes muçulmanos durante as guerras bizantinas. Estes túneis foram largamente usados ​​por nativos cristãos e diz-se que abriram espaço e forneceram comida para salvar quase 20 mil pessoas.

A cidade subterrânea está localizada no distrito de Derinkuyu, na província de Nevşehir, na Turquia, e está aberta ao público em geral desde 1969.

3. As pinturas das cavernas de Lascaux.

Marcel Ravidat, de 18 anos, descobriu a impressionante entrada de Lascaux. Surpreso, ele decidiu voltar ao local com três amigos, e eles viram que as paredes das cavernas estavam cheias de representações de animais. Ravidat foi mais tarde reconhecido por sua descoberta.

A caverna foi aberta ao público em geral em 14 de julho de 1948. No entanto, devido à poluição do ar, poeira e exposição ao dióxido de carbono, as pinturas começaram a perder sua forma original. Foi então decidido fechar a atração aos turistas. As pinturas foram então restauradas à sua forma original e um sistema de monitoramento diário rigoroso foi colocado em prática. Essas pinturas retratam em grande parte o Paleolítico Superior.

2. Inscrições de Jeoás.

A descoberta das inscrições de Jeoás foram tomadas de controvérsias quando elas foram encontradas próximo de um cemitério muçulmano em Jerusalem.

Uma vez que a inscrição foi traduzida, foi revelado que ela falava sobre os reparos feitos no templo de Jerusalém por Jeoás.

A controvérsia é se a inscrição é autêntica ou se é uma falsificação moderna. A Autoridade de Antiguidades de Israel havia levantado dúvidas sobre sua autenticidade.

1. O tipo de braco que provavelmente era usado por Jesus.

© Wikipedia

Dois pescadores do Kibbutz Ginnosar, os irmãos Moshe e Yuval Lufan, eram arqueólogos amadores que estavam interessados ​​em encontrar artefatos do passado de Israel. Quando a água recuou drasticamente no mar da Galiléia, os restos de um barco foram expostos, o que chamou a atenção dos dois.

Uma equipe de especialistas realizou o trabalho de escavação do barco, que durou 12 dias. O barco foi uma descoberta significativa, porque não só representava o tipo de barco usado pelos judeus na era antiga, mas também foi considerado o tipo de barco que Jesus provavelmente usava. Estes tipos de barcos são mencionados várias vezes nos Evangelhos.

Bônus: Esqueletos de cavalos e carruagens.

© ZHANG XIAOLI, XINHUA/FAME/BARCROFT/National Geographic

Cientistas e arqueólogos acreditam que essa sepultura pertencia a uma das famílias nobres do estado de Zheng (806-375 aC), na China. A grandeza desta descoberta é louvável, como foi testemunhado pelos escavadores da tumba, liderados por Ma Juncai.

A escavação foi realizada na região central da China, na cidade de Xinzheng, onde dezenas de carruagens e quase 100 esqueletos de cavalos foram encontrados com 2400 anos de idade. Um dos destaques desta escavação foi uma carruagem, que tinha 2,4m de comprimento e 1,7m de largura e adornada com bronze e ossos.

via BrightSide.

Comentários
Carregando...