10 fotos incríveis de áreas proibidas capturadas por drones ao redor do mundo

A fotografia é uma forma de arte que está em constante evolução com a introdução de novas tecnologias. De fotos instantâneas às câmeras digitais, os fotógrafos têm conseguido criar imagens novas e empolgantes, à medida que mais e mais ferramentas estão disponíveis para eles. A última invenção a mudar seriamente a fotografia foi o drone.

Drones nos permitem visualizar lugares aos quais nunca teríamos acesso. Enquanto a maioria nós busca capturar fotos que nos ajudam a apreciar o belo mundo em que vivemos, alguns tentam entender os segredos do mundo, acessando áreas proibidas que antes eram inacessíveis sem um drone e arriscando-se em prol da curiosidade.

Compilamos 10 fotos incríveis de áreas proibidas capturadas por drones ao redor do mundo. Veja só:

10 – Síria

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

A Guerra Civil Síria foi absolutamente devastadora para aqueles que foram pegos nas trocas de tiros nos últimos anos. Na foto, um drone fotografa tanques sírios que causaram e receberam muitos danos.

Embora tenha sido a terceira maior cidade da Síria, Homs foi totalmente destruída após uma sangrenta batalha de quatro anos entre o governo e a oposição, que levou a morte de milhares de pessoas e deixou a cidade em ruínas.

9 – Pequim, China

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

O expatriado norte-americano Trey Ratcliff aprendeu da maneira mais difícil porque o palácio imperial de Pequim é conhecido como “A Cidade Proibida”. Não é de surpreender que sobrevoar a sede do governo chinês e seus centros de inteligência seja imprudente.

Felizmente, Ratcliff conseguiu capturar algumas imagens aéreas antes que seu drone fosse capturado e ele ter sido preso pelas autoridades chinesas. “Decidir sobrevoar sobre a China é como se Luke Skywalker decidisse usar seu Speeder sobre a Estrela da Morte”, disse Ratcliff.

8 – Pripyat, Ucrânia

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

As consequências do infame desastre nuclear de Chernobyl em 1986 são evidentes até hoje. A segurança nuclear, compreensivelmente, tornou-se uma grande preocupação imediatamente após os eventos do acidente.

O Sistema Duga da Zona de Exclusão de Chernobyl foi construído para detectar ataques de mísseis com uma rede de radar de alerta antecipado. Ele emitia um sinal tão forte que até os usuários de rádio dos Estados Unidos podiam ouvir seus “cliques”. Como tal, recebeu o apelido de “Pica-pau russo”. Desde então, foi abandonado.

7 – Kazantyp, Crimeia

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

A Estação de Energia Atômica da Criméia estava em construção desde 1976. Apesar de todo o tempo, energia e dinheiro gastos para sua construção, a instabilidade geológica fez com que o projeto fosse abandonado.

A Estação de Energia Atômica da Criméia foi o local do festival de música eletrônica KaZantip (mais conhecido como “Reaktor”) de 1993 a 1999. Uma pessoa anônima comprou o local em 2005.

6 – Ōkuma, Fukushima, Japão

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

O terremoto de magnitude 9,0 que estremeceu Ōkuma em 2011 causou uma reação em cadeia, provocando um tsunami que destruiu a usina nuclear de Fukushima Daiichi.

Após o colapso nuclear, Ōkuma se tornou uma cidade fantasma. Provavelmente demorará décadas para a cidade poder habitada novamente. Felizmente, a vida foi restaurada em outras partes da província de Fukushima.

5 – Área 51, Nevada

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

Várias histórias diferentes – especialmente aquelas relacionadas a infames avistamentos de OVNIs – cercaram a base da Força Aérea dos EUA (apelidada de “Área 51”) em Nevada desde os anos 50.

Logo depois que o fotógrafo Hans Faulkner gravou essa filmagem de drone em agosto de 2015, placas de “proibido drones” foram prontamente postadas em torno da região controlada pelo governo, tornando essas imagens ainda mais raras do que já eram.

4 – Debaltsevo, Ucrânia

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

Quando os militares russos anexaram a Crimeia em 2014, desencadearam um conflito permanente entre as forças militares ucranianas e pró-russas. Estas imagens mostram os restos de um grupo de tanques.

A área é agora conhecida como o Caldeirão de Debaltsevo, uma referência para a batalha que aconteceu entre janeiro e fevereiro de 2015. As imagens do drone foram postadas online no ano seguinte, mas ainda há restos de tanques e outros veículos militares espalhados pela área.

3 – Tar Heel, Carolina do Norte

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

Imagens de Drone capturadas pelo cineasta Mark Devries revelaram as terríveis práticas de uma fazenda de criação de suínos de propriedade da maior fornecedora de carne suína do mundo, a Smithfield Foods.

Devries ficou horrorizado ao descobrir que os operadores das fazendas fabris estavam enchendo uma cratera aberta de um terreno que, de outra forma, estaria seco, drenando os dejetos de suínos para dentro dela. O “lago” improvisado foi então esvaziado em corpos de água próximos, criando um risco para a saúde dos moradores das áreas, muitos dos quais têm rendas mais baixas.

2 – Torre de Tesla, Rússia

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

A Torre de Tesla era uma “máquina relâmpago” do período soviético que gerava tanta eletricidade que deixava os cabelos de exploradores de pé. Um relâmpago de 200 metros de comprimento, certo dia, atingiu a área a apenas alguns metros de distância, provando que depois de todo esse tempo, a instalação continua ativa.

Uma vez que a União Soviética acabou, presumiu-se que a torre havia sido abandonada, mas não era exatamente o caso. Correspondentes da mídia russa foram convidados para uma demonstração de como a torre mede a resistência a raios em peças metálicas industriais. Cada teste libera a energia equivalente de 25.000 tomadas elétricas.

1 – Spitsbergen, Noruega

© Facts Box / YouTube
© Facts Box / YouTube

Em uma ilha a cerca de 1900 km do Polo Norte, no arquipélago de Svalbard, no Ártico, existe um bunker que pode ajudar a assegurar a continuação de nossa espécie. Dentro dele se encontram 860.000 amostras de sementes de “backup”, no caso de perdermos nossas colheitas.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.