10 fatos chocantes sobre a Terra

O modo como esse planeta funciona e sua composição são fascinantes, e esses 10 itens revelam isso:

1. Fogo no gelo

Quem disse que um lugar gelado nunca pega fogo? Na Antártida, embora seja raro, um incêndio é muito mais difícil de ser combatido, pois os ventos fortes e secos o ajudam a se espalhar. Além disso, é impossível apagar um incêndio no continente gelado porque a água da mangueira simplesmente irá congelar. E o mais preocupante disso tudo? Lá há o Monte Erebus, um vulcão ativo, que pode entrar em erupção a qualquer momento.

2. Cordilheira vulcânica colossal

Cordilheira vulcânica colossal

A chamada dorsal mesoatlântica é um colossal conjunto de vulcões submersos que existe por causa de erupções que acontecem entre as placas tectônicas. Essas erupções ajudaram a criar uma crosta mais nova na litosfera. Com 60 mil km de extensão, é a maior cordilheira geológica do planeta.

Além do mais, essa cordilheira traz outros impactos sobre a Terra. Quando a água hiper gelada do oceano se infiltra nas rachaduras das cristas vulcânicas, ela é aquecida a mais de 400 graus e e entra em uma ebulição notável, sendo atirada em rajadas escuras por causa do basalto.

A maior parte da atividade vulcânica terrestre tem origem ali. Só podemos ver as abertura muito quentes, e o que há lá embaixo nunca foi explorado.

3. Terremotos são comuns

Terremotos são comuns

No mundo todo, aproximadamente meio milhão de terremotos acontece todos os anos, e 1/5 deles pode ser sentido por humanos. Por dia, há 8.000 microterremotos que não trazem danos. De qualquer forma, você não faz ideia do que está acontecendo sob seus pés nesse instante.

Terremotos médios, que variam de 5.0 a 8.9 na escala Richter, já são muito mais alarmantes. É verdade que eles são menos comuns, acontecendo cerca de 1.000 vezes por ano, mas geralmente trazem danos e uma taxa de fatalidade maior.

E os terremotos extremos, felizmente, são o tipo mais raro, acontecendo uma vez a cada 20 anos ou mais, e superam os 9.0 graus na escala e atingem no máximo 9.9. Nunca foi registrado um terremoto superior a 10, e esperamos que nunca seja registrado.

4. O centro do planeta é tão quente como o Sol

O centro do planeta é tão quente como o Sol

O núcleo externo do planeta Terra possui 2.300 km de espessura, é composto de ferro e níquel, e ferve em uma temperatura constante de 3.900 graus Celsius. Já o núcleo interno, uma esfera de ferro de 1.200 km de espessura, cria o campo magnético do planeta e está aquecido a 6.100 graus Celsius, tão quente como o Sol. Apesar de tão quente, ele é sólido devido a intensa pressão.

5. Muito peso pode deformar a Terra

Muito peso pode deformar a Terra

Toda a terra da Antártida está sob uma pesadíssima camada de gelo.

Em 2002, a plataforma de gelo Larsen B ruiu no oceano. Possuía 3.250 quilômetros quadrados, 220 metros de espessura e assustadores 720 bilhões de toneladas – muito peso para sumir de repente. Pesquisadores ficaram chocados quanto descobriram que isso fez com que a terra que outrora estava sob o gelo aumentasse muito – tanto que até alterou fluxos subterrâneos de lava, o que podia até ter afetado a estabilidade dos vulcões ali presentes. Se todo o gelo antártico derreter, a terra subiria proporcionalmente, e as águas do mar subiriam cerca de 60 metros.

6. Não conhecemos nem 5% dos oceanos

Não conhecemos nem 5% dos oceanos

A Terra é formada principalmente de água, mas 95% dos oceanos é um mistério nunca explorado. A luz solar é incapaz de penetrar além 275 metros de profundidade, e as águas além disso estão em completa escuridão, o que impossibilita uma exploração total com a tecnologia atual.

Esses 95% dos oceanos provavelmente abrigam uma infinidade de espécies desconhecidas, que podem até mesmo ser extintas por causa da acidificação dos oceanos antes mesmo de as conhecermos.

7. A gravidade não é uniforme

A gravidade não é uniforme

A gravidade varia o longo da superfície do planeta. A Baía de Hudson, no Canadá, por exemplo, possui uma força gravitacional menos intensa do que grande parte do planeta. Claro que a mudança é insignificativa para os padrões humanos, mas instrumentos científicos podem detectar.

A razão pela qual isso acontece é um mistério, mas cientistas acreditam que a responsável foi a Era do Gelo. Quando o gelo cobria grande parte da América do Norte e Europa e derreteu, acabou criando uma marca tão intensa que pode ter afetado a gravidade levemente.

8. Continentes mudam de forma

Continentes mudam de forma

Cerca de 250 milhões de anos atrás, todos os continentes atuais estavam unidos em um único bloco gigante de terra chamado Pangea. E, segundo os estudiosos, daqui a mais 250 milhões de anos, outra Pangea irá se formar, mas de modo diferente a configuração anterior. Não podemos prever com exatidão o movimento das placas tectônicas, mas estimativas sugerem, por exemplo, que a Califórnia irá fundir com o Alasca e a África irá se colidir com a Europa, criando uma colossal cadeia montanhosa.

9. Os pólos mudam de lugar

Os pólos mudam de lugar

De tempos em tempos, os pólos norte e sul magnéticos se invertem. Essa mudança já aconteceu várias vezes antes, e sempre irá acontecer. Analisando rochas vulcânicas, cientistas descobriram que a última inversão aconteceu há 780 mil anos, isto é, a próxima mudança está prestes a acontecer.

Cientistas sabem disso porque o campo magnético que envolve a Terra e nos protege da radiação espacial está mudando mais rápido que o imaginado, e ficando mais fraco em algumas regiões e mais forte em outras. Essa atividade incomum é um indicativo de que uma  inversão está prestes a acontecer.

10. A Terra é muito pequena

Você sabe que a Terra é muito menor que alguns planetas do sistema solar, como Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, e é absurdamente menor que o Sol. Para se ter uma ideia, 1,3 milhão de Terras podem caber tranquilamente dentro de nossa estrela (considerando apenas o volume).

E comparado a outras estrelas, o Sol é ainda um anão. A supergigante vermelha Betelgeuse, por exemplo, é aproximadamente 500 vezes maior que nossa estrela. Isso só prova o quão insignificante nós somos.

Veja também: Mais do autor

Comentários

Carregando...