Arqueólogos descobrem que templo maia tem 2 pirâmides no seu interior

643 visitas
Arqueólogos descobrem que templo maia tem 2 pirâmides no seu interior

Arqueólogos revelaram que descobriram uma pirâmide que está dentro de uma pirâmide, que por sua vez, está dentro de outra pirâmide no México.

O monumento multi camadas, também conhecido como templo de Kukulcán, pode ser encontrado em Chichén Itzá, o complexo de ruínas maias na península de Yucatan. Os arqueólogos descobriram a segunda pirâmide por volta da década de 1930, mas não sabia que este era apenas o começo.

Agora, usando tecnologia de tomografia elétrica 3D, os especialistas descobriram mais uma pirâmide.

“Ele é construído como uma boneca russa. Sob a grande pirâmide há outra e outra”, disse o pesquisador chefe, Rene Chavez Seguro, em uma entrevista coletiva.

A pirâmide menor, recém descoberta, foi construída entre 550 e 800, no ápice do período clássico dos maias. A média foi construída em algum momento entre 800 e 1000, e a pirâmide exterior entre 1050 e 1300. Isto significa que a menor pirâmide no interior pode dar uma visão perfeitamente preservada de como era a vida dos maias neste período.

Os pesquisadores têm algumas teorias a respeito do motivo para o monumento ser construído de forma tão excêntrica. Por um lado, ele poderia ser uma espécie de renovação do antigo monumento. De forma alternativa, poderia ser para marcar a chegada de um novo líder.

Representantes do Instituto Nacional de Antropologia e História do México explicam que os maias não destruíam os edifícios originais porque acreditavam que eles tinham alguma conexão com o mundo espiritual.

20 anos, morador de Porto Alegre/RS. Foragido da Engenharia de Energia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, iniciou a graduação em Administração na mesma universidade. Viciado em HQs da DC Comics e em gatos, este autor tornou-se a pessoa mais feliz do mundo ao transformar seu hobby em trabalho: escrever para o Mistérios do Mundo e Climatologia Geográfica. Contato para dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro feedback: matheusgoncalves.d@gmail.com ou só clicar no botão que redireciona para o Facebook.

Comentários